sábado, 29 de setembro de 2012

Escolhas


      Coisas ruins não são o pior que pode nos acontecer. O que de pior pode nos acontecer é NADA.

   Uma vida fácil nada nos ensina. No fim, é o que aprendemos o que importa: o que aprendemos e como nos desenvolvemos. Traçamos nossas vidas pelo poder de nossas escolhas. Quando nossas escolhas são feitas passivamente, quando não somos nós mesmos que traçamos nossas vidas, nos sentimos frustrados. Uma pequena mudança hoje pode acarretar-nos um amanhã profundamente diferente. São grandes as recompensas para aqueles que têm a coragem de mudar, mas essas recompensas acham-se ocultas pelo tempo. Geramos nossos próprios meios. Obtemos exatamente aquilo pelo que lutamos. Somos responsáveis pela vida que nó próprios criamos. Quem terá a culpa, a quem cabe o louvor, senão a nós mesmos? Quem pode mudar nossas vidas, a qualquer tempo, senão nós mesmos?

Deus sabe que isto é verdade.



   Pensar em escolhas é o mesmo que pensarmos em decisão. A vida nos cerca de escolhas. A todo o momento temos de fazer alguma. Somos sempre responsáveis pelas nossas escolhas. Porém, não entendo que haja escolhas certas ou erradas. O que há na verdade, são simplesmente escolhas. As conseqüências que pode ter a tomada desta ou daquela escolha, é que difere as escolhas. Até porque se houvesse escolhas certas ou erradas, quem seria o bobo de optar pela errada?

    Se você amou escolheu amar. Só que não foi correspondido(a), você fez a escolha errada? Não! Simplesmente escolheu. Talvez, a pessoa seja a errada. Não sua escolha.
Foi numa balada e não gostou. Fez a escolha errada? Não! A balada foi à errada.
E assim por diante... Escolhas são escolhas...!

E você tem de fazer as suas... Análise as conseqüências de cada passo. Mais dê o passo!

      Se quiser um bom conselho, vá até o espelho, olhe no fundo dos seus olhos...E pergunte a você o que é o melhor a ser feito. A primeira resposta que vier ao teu coração, SIGA! Isso não quer dizer que você vai seguir sua emoção. Mas seu cérebro, razão, traduz a vontade da sua emoção e te deixa claro. Ou seja, tua razão é capaz de entender o desejo do teu coração...

Então siga...
Se tua razão entendeu, não deve ser algo tão complexo assim...

-Wellington Caposi

Quanto Custa?


      Quanto você custa? 

      Não entendeu? 
      Vou perguntar mais uma vez: Quanto você custa?

      Não se espante ao se deparar com essa pergunta, já que não se trata de programa sexual, nem mesmo cachê para entrevista, eu falo sobre o valor que você tem para as outras pessoas. Se você não tem um valor, no mínimo deve ter um preço.
      Na maioria dos círculos sociais, você é o que você tem ou o que "parece ter". Por isso que tudo que representa status é somado aos seus dizeres. Uma roupa de marca importante, um celular de ultima geração, um carro com bancos de couro, um apartamento em frente ao mar... Tudo isso são exemplos de "créditos". Créditos são valores de agregação capitalista que introduzem, à pessoa determinada, uma aceitação subsidiária ao caráter, a pessoa pode ter tudo e ser a pior pessoa do mundo, mas ela tem tudo e por isso sempre será vista entre os mais importantes. O crédito também serve para rótulos tribais, mas não de caráter eliminatório, serve para um leve posicionamento, como os surfistas usam Smolder e os boys usam Aleatory. 
      O que você tem/usa é totalmente vinculado ao que você é de fato. Se for uma pessoa não tão boa, serás um arrogante, metido, usuário tardio de humildade vencida, se for uma pessoa melhorzinha, será alguém que tem condições (fictas ou não) de estar na moda ou ter o melhor para usar. Mas apenas com o tempo é que determinados o íntimo de tais seres, de início são todos iguais e todos na mesma linha de créditos. Uns com mais e outros com menos.
      Sendo assim, tornam-se Valor: todos os aspectos positivos e negativos que agregam-se de forma plena ao pensamento, comportamento e palavras. E Preço, tudo aquilo que não reflete o que você realmente é, apenas um acessório para chamar atenção do ser fútil. Uma coisa simples pode ter um valor maior do que o próprio preço e vice-versa, também ocorre com as pessoas, sendo uma pessoa agradável, mas mal-vista ao mesmo que uma pessoa intragável é a mais popular de todas ali presente.
      Não sei se um dia terás oportunidade de ver de primeira impressão um pessoa com Valor, mas de certeza encontrará pessoa com Preços. Essas ultimas são as mais comuns por serem mais atraídas pela carne, são propensas à mídia, ao boca-boca, ao sonho de ser inserido em mundo que talvez ela nem pertença, mas crê que ela deve estar ali de algum modo por mais que haja sacrifício. E de fato já vi muita coisa inacreditável acontecer com essas pessoas, e geralmente elas não são bem-faladas, entretanto os de valores também não são anjos na Terra, porém são verdadeiros e não suportam o egoísmo mercantil.

      Agora você pode me responder quanto você custa?
      Não sabe ainda?!
      Então eu te direi quanto eu custo:
      Sinceramente eu não saberei responder, pois o meu valor quem dá é você.
      
     

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

CID-10


Turvo-me aos meus sentimentos
E me questiono surpreendentemente
Quem eu sou?
Por que estou aqui?
Por que você me olha assim
Como se eu não fosse nada?
Gesticulam os meus dedos,
Sinto-me tremulo, não é o frio!
Estático por algum momento,
Olhos me vigiam de longe
Eu posso sentir de perto,
Bocas que zombam de mim,
Mas a vida não acabou
Este pobre coitado
Que anda atrás de mim,
Para onde vai?
Que fazes por aqui?
A vida te trapaceou,
Olha pra mim, não estás sozinho!
Surpreendentemente sigo teu caminho,
Não vai me dizer que ela te deixou,
Por este mesmo motivo
O álcool é meu amigo,
Mas podemos superar juntos
A tristeza da falta de alguém,
Descermos e subirmos escadas
Passear ao parque
Jogar conversas fora
Não importa se estão nos vendo
Sempre caçoam de nós,
Por causa dela, engraçado!
Tenho a impressão de que grito
Mas ninguém ouve, ou finge não ouvir...
Esta noite quero conversar com meu travesseiro...
E debaixo do meu cobertor, amigo...
Sozinho. Desde que ela me deixou,
Acontece-me estas coisas,
Nem me conheço mais,
E às vezes me vejo parecido com você.


     


     

Nostalgia



     Consegui finalmente identificar qual a sensação real da nostalgia que eu estava sentindo. Por passar mais uma vez por uma situação batida, e acabar de quase mesmo modo, em todos os sentidos, me peguei pensando no meu primeiro e leal relacionamento. E isso me fez perceber o quanto, hoje, eu sou diferente. É fato que as coisas evoluem ou estacionam, assim como eu cresci em alguns sentidos e em outros nem tanto, vejo que você também trilhou seu caminho e hoje és uma mulher fantástica, mais que antes... muito mais. E o tempo passou, oportunidades foram tolhidas, esperanças despedaçadas e corações machucados.
      Tudo isso por um singelo egoísmo juvenil, que de fato fora necessário para o crescimento de ambos. Hoje não me vejo junto à ti como outrora... tentar alguma relação seria deveras estranho, e nem a amizade seria possível por nossos vínculos serem distintos. Uma saída qualquer, uma conversa casual por telefone ou uma visita via Skype não se faz necessária. Não podemos fingir que em nós habita um sentimento recíproco de saudade, nós dois sabemos que o que nós vivemos foi o que fora e ficará apenas em lembranças.
     Nostalgia é sentimento de saudade comum, que nos dá ótima sensação de conforto por mais terrível que seja a lembrança. Vem consigo pessoas, lugares, sensações e músicas, tudo remetido em um clima interessantemente agradável, e geralmente são coisas da infância ou adolescência por serem fases onde a agradabilidade era diariamente entre 65-95% do dia. Não era cem por cento porque nunca estávamos satisfeitos, o querer predominava, e para uns isso nunca mudou. 
      Nunca.
     

Quarantine


       Quarentena é a reclusão de indivíduos ou animais sadios pelo período máximo de incubação da doença, contado a partir da data do último contato com um caso clínico ou portador, ou da data em que esse indivíduo sadio abandonou o local em que se encontrava a fonte de infecção. Na prática, a quarentena é aplicada no caso das doenças quarentenárias, como cólera, tifo exantemático e a febre amarela para observação do paciente. Difere do isolamento, por este segregar um doente do convívio das outras pessoas durante o período de transmissibilidade, a fim de evitar que outros indivíduos sejam infectados.
      Contudo, uso de forma extensionista e analógica esta palavra para o período onde se abstrai o indivíduo real e a forma subsidiária da personalidade se aflora em período teste de aventuras a aglutinação de novos atributos. A quarentena são 40 dias contados interruptamente, e não possibilitando renovação temporal, onde inicia um novo experimento social ou não, e ao fim do tempo logrará êxito em resultados sistêmicos e cumulatórios para o indivíduo.
      Ao início da quarentena, o portador da Possibilidade está ciente que findo o prazo de experimentação ele será conduzido ao íntimo e não poderá retornar a superfície por exatos 32 dias. Esses dias, de omissão proposital, servem para a decantação de pensamentos e sentimentos que maturará o ser real que dera oportunidade. Vale frisar que não existe nenhum tipo de confusão comportamental ou bipolaridade induzida, o Agente em quarentena não é fruto de julgamento do mesmo, é a plenitude do instinto, do auto-controle em  fissura, roga a vontade a cima de tudo e qualquer coisa, variando porém as suas atribuições tácitas ao objetivo comum.
      Ele tem total ciência do que faz, do que pensa e do que quer. Por isso pode ser visto como momento de descontrole emocional, situação no qual erradicou a conduta exemplar e ligou o "Foda-se", em contra partida não se faz vinculação ao estado de "Foda-se", pois este ultimo é explosão do íntimo sobre a busca fugaz do que está acumulado e em demasiado stress. Quebrar o hábito uma única vez pode ser um surto, fazer isso por exatos 40 dias é apenas um teste.
     Nada que o Agente ou Portador em quarentena fizer se escreve, suas verdades são realmente verdadeiras sem menção ao redundante  pois ali é ele quem comanda tudo, o ser que se apresenta tem suas próprias memórias e realizações, o que pode não corresponder ao indivíduo comum fora deste período. Lembre-se a quarentena é sazonalmente experimental. Porque há teorias físicas possíveis e há teorias mentais que não se conseguem completar por simples abstração. Em filosofia e em física, um experimento mental ou experiência mental (da expressão alemã Gedankenexperiment) constitui um raciocínio lógico sobre um experimento não realizável na prática mas cujas conseqüências podem ser exploradas pela imaginação, pela física ou pelas matemáticas. Esses experimentos são utilizados para se compreender aspectos não experimentáveis do Universo.
       E quando as teorias são suficientes para as práticas, precisamos de um período e objeto de estudo predisposto a enfrentar todas as adversidades que possam surgir, é importante o uso do Agente nesta fase. Todos os resultados serão analisados e a experiência nunca mais se repetirá, embora às vezes se faça saudade.

Eternity


      Muitos se perguntam como será o futuro. Hoje eu não me importo com tais conjecturas, já que após ultrapassar a geração Wi-fi me pego vendo a geração Nano, e creio que o mundo não possuirá macro coisas, mas sim nano coisas. Do que isso importa para você caro leitor? Nada. Isso mesmo, de nada isso importará já que você certamente será lembrado por algo único que fomentou o caminhar da humanidade.
      Agora você parou para pensar qual o feito tão grandioso que marcou sua existência na terra? Você já ganhou uma medalha dada pelas mãos do presidente? Teve o busto em bronze ou nome dado a algum logradouro? Publicou um livro que tornou-se um Best-Seller? Salvou vidas em uma grande enchente ou incêndio? Se você não fez nada disso, você é apenas mais um número nas estatísticas dos mais de 7 bilhões de seres nesse planetinha. Os anônimos.
      A eternidade é o limbo das notícias. Nada é eterno além das próprias memórias, se houver alguém para lembrar do teu nome, das tuas emoções ou palavras, enquanto houver um coração pulsando em teu favor, você sempre será eterno. Não se apegue ao que não te convalidar o crescer, tais minimalistas coisas como títulos, sensação de poder, ou holofotizar as situações, não irá perpetuar tua imagem.
     Reza a lenda que ninguém é lembrado por seus integrais feitos, sejam bons ou não, o que valida tal extensão da própria história é o jeito de ser. O encanto se perdurará em ideais e corroborações de atitudes íntimas, serão tidas como exemplo e como tal, será usado por todos aqueles que se sentirem aptos a tentar, você poderá ser legendário por uma técnica médica revolucionariamente simples ou ousada, sairá nas capas de jornais e revistas por ter tido um bom coração, ou será um "amigo do amigo" que um dia fez algo e deu certo.
     Anônimos nós somos para o restante do mundo, entretanto para os que estão conosco, somos a eternidade deles em nossas histórias e nossa perpetuação na vida deles. Invista na boa imagem e sinceros atos, sem ostentar qualquer valor. Sorria.
     

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Vollmond


     A lua cheia é mais uma forma de contagem temporal, pois sabemos que em breves trinta dias ela retornará com toda a sua pomposidade e fascínio. E nesses marcos naturais de tempo é impossível não relembrar bons momentos de observância ao natural, não importando a época ou pessoa, ficando apenas o calor do sentimento e a saudade que agarra o peito em quase tormento.
     Certo, é outra noite que se vai e podemos até não correr atrás. Não precisamos ir muito longe para saber sobre qualquer pessoa, alimentar tal situação caberá a cada um, há quem goste de tentar reviver algo bom que acabou e há quem procure novas experiências ou até mesmo não procure mais. Tudo é uma questão de assimilação de tais memórias.
    "E hoje eu caminhei a praia inteira, com os pés na areia e o coração em alto mar."
    Em tempo de sublimação lunar, não sinto falta de nada mais além de uma boa conversa ao som do mar, com direito a imersões em contos fatídicos e carinhos avulsos. E Olhar para o céu e não lembrar de alguém é como tomar água e não molhar a garganta, fisicamente impossível. Não é só a lua que grava tudo em mente, mas toda a magia que banha as noites com o reflexivo brilho do satélite terreno.
    Um luau com amigos, uma reunião de família, uma fuga com o amor... São tantas coisas que possam agradar a lua que nem pensamos em outra coisa a não ser comemorar mais um mês que se finda. Deve ser por isso que os desejos se afloram junto a maré que se faz alta em tempos assim, tudo fica muito intenso e salutar perceber. Até o toque, a palavra, o olhar... Tudo na fase do ápice lunar torna-se totalmente potencializado, e se duvidas de mim, corte teus cabelos em dia de lua. Arrisque-se.



domingo, 23 de setembro de 2012

4- Você está falando comigo?


      A melhor escolha é um lugar calmo e sem muita movimentação. Lembrando sempre de ser caminho próximo dos dois, nunca vá para longínquos lugares, isso pode dar insegurança e intimidar a pessoa convidada. Através das iniciais conversas sobre interesses dá para criar um perfil social de locais favoráveis a uma conversa à dois. 
      Várias televisões, final de novela, jogo de futebol importante... Tudo isso dificultará o diálogo a apreensão da atenção e encanto. Opte sempre por lugares de ambiente tranquilo e de modo que não fique muito quieto, com som ambiente que seja propício a uma conversa e ao mesmo tempo que os som embale o clima de início de relação.
     Se alguém conhecido aparecer enquanto você está escolhendo uma mesa, nunca, eu disse NUNCA fique na mesma mesa que ele(s), você está ali pelo seu par e não para conversar com amigos, faça-a sentir-se importante, porque ela o é! Seja gentil e educado, agradeça ao convite dos amigos e afaste-se para não ficar um clima chato. Se os amigos forem dela, espera ela tomar uma decisão e caso ela passe a proposta para você, aí você estuda o semblante dela para conferir o conforto expresso em sua face, há momentos que é perceptível o convite bem-vindo e outros você pode sentir titubeio. 
     No meio da refeição ou drinks, pode aparecer um familiar ou amigos. A regra é a mesma, exclua-os de momento, para que seu par não se sinta constrangido, isso se ela já não estiver à vontade, e se aparecer os dela, aguarde para ver a reação dela. Aqui vai uma dica fundamental: Se a pessoa que está chegando for importante para ela, ela vos introduzirá, contando-lhe os nomes e situação de início de relacionamento. (Ex.: "Este é o Thiago, meu vizinho." ou "Esta é Fernanda, minha tia.") Se não for tão importante então ela apenas falará, cumprimentará e continuará a te dar atenção.
     Atenção e cuidado é forma de vinculação do meio. Esqueça smartphones, conversas paralelas e olhar para à rua. Vise apenas seu objetivo que é dar a melhor imagem de si, não sendo omisso verdadeiramente ao que acontece ao redor de vocês, pois há o fator segurança também presente. Se o telefone tocar, siga a regra dos 10 segundos: Se for algo para resolver em até dez segundos você diz o nome da pessoa que te ligou, e conversa rapidamente com ela, e depois não peça desculpas, apenas continue como se esta ligação não ocorrera. Se for mais de 10 segundos, torna-se preferível um sms avisando que depois você retorna, abre-se um grande parênteses aqui (Em casos de urgências e emergências todas as pessoas do mundo reconsideram uma ligação ou fim repentino do encontro, o que é importante deve-se ter com importância)
     E se ela começar a conversar ao telefone? Você faz cara de paisagem, começar a comer lentamente, ou beber aos poucos. Evite ficar olhando para os lados contando o tempo com os olhos como se procurasse algo para fazer, não pegue o celular em fuga para ocupar as mãos, isso demonstra menosprezo à presença de qualquer pessoa. Apenas sorrias às vezes e procure um ponto de abstração, é aí onde entra as televisões, um leve cantarolar da música que ambienta, uma leitura no menu... Sempre algo bem discreto e que possa ser corriqueiramente comum. Quando ela acabar, se acabar, não faça nenhum comentário incriminador, faça o contrário, pois ela vai pedir logo e no mínimo desculpas, então você rebate com um belo elogio, isso fará acabar com o clima sem graça de distração mútua e voltará ao foco inicial, ela.
    

Verde



     Na linguagem corrente, é comum falar-se da maturação das frutas no sentido de se encontrarem em condições de serem consumidas. Classifica-se um fruto como maduro quando a sua semente se encontra totalmente formada e pronta para a disseminação. O fruto pode, então, adquirir características como: intensificação do cheiro, mudança da cor ou mesmo a queda do fruto de seu vegetal originário (ex: as maçãs que caem da macieira). O antônimo de maduro é imaturo (ainda que, na linguagem corrente, se utilize a expressão "verde", devido à cor típica dos frutos ainda em desenvolvimento). Maturação ou amadurecimento é o processo de desenvolvimento dos seres vivos ou suas partes no sentido de tornar o organismo apto para a reprodução. Em relação aos animais, diz-se que, nessa altura, eles atingem a maturidade. Os seres que ainda não atingiram a maturidade designam-se como "imaturos". Dentro de uma visão psicológica, diz-se o ser humano maturo, aquele que tem uma grande experiência de vida e uma visão melhor dessa no seu sentido filosófico. A maturação, nesse sentido, pode ocorrer após ou durante uma crise psicológica, desencadeada, geralmente, por algum evento importante na vida do indivíduo.
     Ser maturo exige uma evolução do atual estado psico-emocional, o que é relativamente ligado à alguma circunstância que delimita o ponto de continuidade, este é o pause da vida onde ocorre a transição do eu de ontem para o eu de hoje. Seja por um fato bom ou ruim, uma viagem ou um trauma sinistro, obter experiência é decantar sentimento perante a situação proposta, aceitar os fatos e acontecimentos liquefazendo pensamentos e ações que progridem à realização preconizante aos deleites de comentários de outrem. E após muito fermentar, o que pode levar um período em luto ou aprovação íntima, finalmente toda essa etapa de vida cai feito luva em mãos no que condiz ao aprendizado pessoal. O que podemos repeti-lo ou apenas evitá-lo, quem dirá se tal experiência teve efeito e qualidade de refazê-lo será nós mesmos, por isso que podemos voltar ao erro e podemos acertar novamente.
     Ter uma experiência de vida não é apenas passar por maus bocados, enfrentar adversidades, sofrer amargamente o que o diabo e o inferno inteiro preparou, muito pelo contrário. Toda forma de aprendizado é uma nova experiência obtida que nos faz ganhar níveis maiores na personalidade. O que dificulta tudo isso é o prazer que temos em pôr em altar todo o sofrimento ou dificuldade e esquecemos que os momentos bons também são valores que somam XP (experiência); Acredito que o caminho do sofrimento, este que deixa cicatrizes latentes, por ser mais desagradável e marcante, é o mais preferencial por nós mortais. É quase sempre ele que faz a passagem dos nossos pontos de experiências valerem, seja por escolha, seja por impulso do inconsciente. 
     Gostaria de encontrar ainda nesta vida, todas as pessoas que um dia cruzaram meu caminho, para ver o quanto elas mudaram. Hoje me deparo com algumas que tem tanto para oferecer, mas possuem o medo de crescer, o caminho do cômodo é mais fácil do que enfrentar o mundo. E em evasão ao maturo elas vão vivendo, como se isto não fosse acabar, mas quando acabar a experiência vai marcar, a inércia deixa tantas marcas quanto o saltar em galhos. O tempo não perdoa nenhuma criatura viva e não-viva, por isso temos que continuar a experimentar sempre o novo de forma sublime e coerente.
     Eis o caminho definitivo para tornar-se experiente em qualquer coisa que você desejar: experimente coisas novas. Lembre-se de que “uma mente que se abre para uma nova ideia jamais retorna ao seu tamanho original” e esteja certo de que sempre que você tiver a oportunidade de ver as coisas sob a óptica de um principiante isso significa que você está crescendo e tornando-se mais experiente. Quando você faz algo que nunca fez antes há uma mudança interna acontecendo e você passará a ser um produto de suas novas experiências. Lembre-se que não importa muito se uma experiência foi positiva ou negativa, pois até mesmo uma experiência negativa é capaz de pagar-lhe dividendos se você souber como fazer isso.
       Eu acredito que você deva prestar atenção a essa nova descoberta sobre como tornar-se uma pessoa experiente e, desde já, iniciar a sua busca por novidades que o façam crescer e evoluir. A ideia é absolutamente simples e eu espero sinceramente que você possa tirar proveito dela a partir de agora e que ela ajude você a tornar-se alguém ainda melhor do que você é atualmente.

Libera-Me


     Vivemos em uma época tão ligada ao material, ao ceticismo filosófico que somos o que somos por não termos opção de escolha, que ficamos vendo o mundo se auto-destruir. E em desventura recente me peguei ocasionando e sustentando relação adversa daquilo que eu julgava pretensionalmente válido: apenas curtir alguém só por curtir, sem agregar sentimento, julgar valores, tampouco procurar satisfações ou desculpas para isso ou aquilo.
     Precisei deliberadamente soltar o meu amor para que este não se acorrentasse ao errado. Agindo de forma potencialmente em influencia ao convexo Id, este que se fez presente por quase 60 dias de exploração daquilo que era pra ter sido explorado há muito. Desbravando assim mais que o próprio eu, foi além de locais e pessoas, chegou onde nunca eu poderia ter ido por simples imaginar. Ele ousou.
    No ar continuam minhas emoções, é mais seguro lá em cima, onde não habitam seres, não há mandrágoras que gritam inveja e ladrões de felicidade. E meus sentimentos bons tornam-se mais felizes lá no alto, colorindo meu dia com lembranças de bons momentos, e tais sentimentos que antes guardava a todo custo, após alguns furtos e massacres, tornaram-se voláteis, como minha própria vontade de transcrever o que atravesso por vida.
     Libera-me de todo qualquer pensamento vil. As tonalidades do meu dia são dadas aos meus próprios olhos pelo meu único coração, e por mais triste que seja meu dia, por mais tensos que sejam meus diálogos, por mais confusos que sejam meus projetos de vida, hoje eu posso olhar para o céu e ver todos os meus sentimentos seguros lá em cima. Onde ninguém pode alcançá-los, sem medo que o vento os roube por hora, ou que algum pássaro possa pegá-lo por curiosidade, não há medo quando é dado ao destino a oportunidade, meu único medo é quando esses balões de afeto caem em mãos erradas, em mentes arraigadas ao solo que desejam apenas o auto-satisfazer. 



sábado, 22 de setembro de 2012

Sofer


O sofrimento, entretanto, é necessário para a formação do homem; todo homem de boa compleição deve trilhar esse caminho:
"Essas dores podem ser bastante penosas: mas sem dores não é possível tornar-se guia e educador da humanidade; e coitado daquele que quisesse sê-lo e não tivesse essa pura consciência!"

Por fim, o gênio que sobrevive ao sofrimento que lhe cria e lhe acompanha acaba superando as noções de "bom" e "mau", e a moral existirá apenas como um vestígio de uma cultura inferior:
Enfim, quando a tábua de sua alma estiver totalmente coberta de experiências, ele não desprezará nem odiará a existência e tampouco e amará mas estará acima dela ora com o olhar da alegria, ora com o da tristeza, e tal como a natureza terá uma disposição ora estival, ora outonal.
Quando o seu olhar tiver se tornado forte o bastante para ver o fundo, na escura fonte de seu ser e de seus conhecimentos, talvez também se tornem visíveis para você, no espelho dele, as distantes constelações das culturas vindouras.

E Se...


E se tudo aquilo que você desejasse ao ver horas iguais fosse atendido?
E se todo carinho que você quisesse dar fosse o mesmo que você estivesse recebendo neste momento?
E se todos os seus planos fosse agregados hoje com outra pessoa que você nunca imaginou?
E se você nunca me conhecesse? 
E se você fosse mudo, cego ou surdo?
E se a vida fosse nada disso que você faz todos os dias?
E se todas as possibilidades que você nunca esperou acontecesse de repente?
E se você ganhasse na megasena?
E se você tivesse a melhor família do mundo?
E se tudo fosse reviravoltamente perfeito?
E se...?
E se não houvesse nenhum "E se..."?

     Não sei ao certo se os goles de xarope de coca me encharcou de açúcares ou se o poliácidos deste instantâneo alimento me entorpeceu de Tartrazina, mas de tantas conjecturas sobre o mundo externo, o melhor é se apegar ao momento. Carpe Diem, como dizem os franceses para aproveitar o dia. Irônico o destino, quando vislumbro minha nova colônia de nome análogo, o que me remete aos diálogos outros de como estou numa fase muito boa da minha vida. E de tão boa me dá medo de continuar por esta correnteza.
    Destino bom não me espera, pois estou hoje no olho do furacão. E em meio desta escuridão que me cerca, continuo com minha própria iluminação, forçando o bom senso e a boa vontade para rasgar o manto de mentira e cobiça que ostentam meu ambiente. Não adiantando supor jamais sobre os vários "E se..." que poderiam resolver tantos problemas ou mínimos/grandes percalços mundanos.
     Estamos onde estamos, por um único e eloquente motivo. Caminhamos até aqui, seja sozinho ou acompanhado, será sempre a NOSSA jornada e de mais ninguém, nossa história, nosso pensamento... Passar a vida pensando e nada fazendo é o mesmo que desejar comer algo e ficar apenas na receita. Agir é agradavelmente bem-vindo, e por muitas vezes nem precisa de muito esforço, apenas dedicação.
     Não existe escolha errada, caminho torto ou companhia maldita. Tudo se completa por suas escolhas, e delas provem seu temperamento, situação e bem-querer. Aceite as consequências de seus atos, não culpe nem subjugue.

E se aceitasse-mos os conselhos?


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

A Primeira Noite do Segundo Sol.


      Em ganância do próprio ego, esqueci de como eram as cores do dia. Lembro sempre do que ficara marcado em mim, tenho em mente aquilo que aprendi a vislumbrar, todas as cores alaranjadas do fim do dia. O laranja riscando o céu junto ao violeta, era o âmbar igual aos teus olhos, e assim aprendi a valorizar o momento em que quase sempre estávamos juntos, o pôr do sol.
      Em princípio do oportuno mês que me abraça em aniversário, fui convidado ao inesperado. Observar as estrelas como na adolescência, com conversas agradáveis, teorias e até cochilos. E ali eu vi o dia acordar, junto à cidade que roncava em sonhos. Em pontos fixos as estrelas brilhavam, não havia lua, não havia pressa, não havia nada além de nós dois. Acredito que nunca tinha observado a marcha das nuvens vindas do horizonte, o quase amanhecer fabricara tantas nuvem que cuidadosamente invadiam os céus em púrpura. Ventava muito, mas elas continuavam pacíficas, eram tantas e tão separadamente juntas que merecia mais que uma recordação, poderiam ser fixadas na sala de estar em molduras em vidro.
       O neon alaranjado brincava ao céu claro de cor mostarda, o púrpura era sopro boreal em circulação entre nuvens. A cidade calmamente dormia e nunca poderia sonhar com tais cores, tudo vibrava em som de mar apaixonado, tão amável quanto o abraço que me contornara e abrigava meu corpo combatendo o frio. O dia acorda preguiçoso, bem devagar, para não assustar a quem ainda dorme e logo as nuvens começaram a correr dia a fora. Já não estavam tão próximas, distância se fazia no céu ainda vibrante. Era deserto na calçada, na areia da praia, no mar refletindo o céu, no horizonte e em meu peito. 
     O horizonte era extensão do oceano que parecia terra longínqua e sedenta por um amor. Não vi ali um céu que conhecia, mas uma visão do contrário que via à minha frente. Em meio as areias do tempo antigo, à frente um mar revolto em atenção, e logo acima uma paisagem de cores quentes e aspecto árido. Me peguei indo até lá, naquele deserto de cores fortes e de abrasivo sentido, mas não perguntei se você também poderia ir onde eu estava indo, fiquei com medo estar distante mesmo estando perto, como sempre fora.
     Depois de um longo dia primeiro, cheio de trabalho e angústia, assisti de perto a primeira noite do segundo sol, vi os primeiros raios de sol rasgarem as escuras cortinas da noite. Admirei o dia acordar ao som do vento que sussurrava em ouvidos, tendo a certeza que estava feliz, senti a vida arder sem explicação. Tentei te explicar, desenhando no ar o que eu sentia, apertar teus braços para se aproximar mais do calor que me surpreendia, e antes que eu visse você disse o que eu não podia acreditar. O sorriso cobria minha face como se fosse apenas isso que eu fazia para continuar vivo, o meu sorriso foi o mesmo que eu trouxe do deserto íntimo que percorri só para saber se existia algo além do horizonte.
     Explicação não tem, mas vi algo além do horizonte. E é justamente isso que trago no meu olhar.
     

     

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Power Button


     Todas as pessoas em algum momento em um relacionamento comum, tende a disfarçar o que realmente pensa e/ou sente. E se formos íntimos o bastante para perceber isto, podemos acionar o botão de energia. O Power Button nada mais é do que aquele momento que temos a pessoa verdadeiramente em nossas vidas, seja por um local propícios as verdades, seja por termos as pessoas de confiança por perto, porém não se limita aos amigos antigos ou familiares dispostos, também estendem-se ao novos que possuem a habilidade de trespassar as barreiras da vergonha, do pudor, da sorte e do revés. 
     Essas pessoas podem surgir do nada, como também podem estar conosco sempre que possível. Elas possem um olhar único que arranca da tua alma todo o depósito ainda não garantido de confiança, do afeto e convicção de que tudo pode dar certo. Acredite. Elas são merecedoras de mérito por serem pessoas de bom coração. Tais seres desbravadores de segredos sabem , como, tocar o teu coração de uma forma apaixonante que você não imagina tua vida sem ter ela por perto. Ela confia em ti com todos os votos de esperança, pois se ela apertou o teu botão de força e descobriu em tua alma que és um ser grato de vivência, ela fará questão de permanecer em contanto, de estar presente nos momentos acreditados certos, por mais que seja apenas uma fase de restauração.
     Os Engenheiros de Sonhos, esses seres que sabem como te ver em real forma, sem te julgar, sem te apedrejar, sem qualquer preocupação com nada além do amor verdadeiro de te ver sorrir. Essas criaturas tem em peito tantas dores, muitas que os sufocam no mundo real, por isso elas podem sumir uma hora ou outra, para não descarregar em quem não mereça, em outro ser além de si. Costumam ser tão amáveis que podem gerar um vínculo surreal de carinho, algo que transcende ao tempo e as pessoas ao redor, por isso são para todas as horas, principalmente as ruins. Elas possuem o Dom de restaurar, são conhecidas também como Agentes Modificadores, porque por onde tocam deixam uma marca de crescimento, inserem a ideia honesta de como deveria acontecer para o justo andarilho perdido em mágoas.
     O Power Button é sua barreira da intimidade. É a campainha que aguarda o convite para abrir a porta da mente e coração. Todos temos tal artifício do mesmo modo que possamos ser um Engenheiro de Sonhos ou simples Agente Transformador, tudo bastará em sentimento de doação e indulgência, algo que para os dias de hoje é raro ou ultrapassado, mas ainda assim é o Dom que todos buscam.
     

     

Chá


     A indiferença é o início da reflexibilidade em satisfação do não desesperar. A cada mexida no meu chá da tarde, é um pensamento que se esvai em congruentes alicerces do que realmente importa. Nada do que eu penso vai mudar as pessoas a minha volta, o ambiente onde vivo, ou o mundo que ostento carregar em ombros, embora o que faça tudo transformar seja uma simples coisa, a atitude.
     No meu religioso chá da tarde pode faltar açúcar, pãezinhos de queijo, uma boa conversa, mas nunca faltará o meu pensamento. Carrego entre diferentes sabores diários, um desejo fundamentado em questionamentos próprios, já que não posso estar todos os dias lançando minhas ideias ao mar, adiciono junto a quente água, todos os meus prazeres e desgostos perante o sublime conteúdo a ser ferventado.
     Um simples gole pode mudar todos os meus questionamentos, mas nunca mudará minha resposta ao universo. Analise tudo com calma, tudo pode esperar se for para fazer o certo. Temos a construção de vida fundada nas horas e, por vezes, metemos os pés pelas mãos só para poder mostrar que fizemos algo na hora certa, entretanto não exista o momento certo, mas sim as atitudes corretas. E por mais errada que seja a hora de agir, se for a atitude certa, ela devastará tudo e criará um ponto de equilíbrio totalmente novo e ninguém julgará a transformação bondosamente cíclica. 
     Já pensou em parar por trinta segundos e apreciar não só um chá, um sorvete, uma música, um comercial de tv, mas já pensou em parar um momento no dia e pensar na vida? Pensar em todas as possibilidades que vivemos? Pensar em tudo e nada ao mesmo tempo? Você já pensou em pensar?
     

     
    

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Tears On Me


     E mais uma vez fiquei olhando para você com medo de ter te magoado. Medo de não te fazer feliz enquanto estás ao meu lado... Observo o teu mundo de forma tão intensa que tenho medo de destruí-lo. Não preciso continuar nenhuma história, preciso de uma nova sem modificar meus valores atuais, preciso que queira meu apoio sem perecer as razões ou virar a tua vida de ponta-a-cabeça, mas ainda assim quero que você saiba, que você acredite em todas as minhas verdades, mesmo aquelas que te roubam lágrimas.

     As tuas lágrimas que me fazem pensar...

     De todas as vezes que falei contigo, ao meu olhar cor de âmbar que brilhava num breve sorriso; Quero que você ouça com toda a atenção do mundo, sem prescrições do tempo em nosso espaço, com ousadia de íntimos convidados para nossa própria festa, nosso momento que só você pode criar. Não tenha medo de ser você, ou receio de fazer acontecer, de planejar, sonhar, sorrir, chorar, cantar, dançar, dormir... Compartilhe tudo e mais um pouco, como se fosse cotidiano nossas conversas infinitas e brincadeiras bobas, porém que não passam de segredos, nosso segredo. Tão infantil quanto um "dar língua" ou até mesmo um apelido, e tão importante quanto um "Bom dia" seguido de um "Você dormiu bem?".
     Ainda não descobri os motivos que te fazem calar, embora leia todas as suas palavras de cada olhar apertado, a envergonhada lágrima que transcorre face abaixo por uma simples conversa, um abraço sincero vindo de uma expectativa ainda conjecturada, queria entender teus pensamentos sem temer o futuro que já aguardo. Indulgente e sensato, continuo a aguardar o tempo passar fazendo apenas as melhores coisas que eu possa oferecer, afinal de contas devemos exaltar o melhor e minimar o pior de nós.
     Em breves fugas ao abstrato, me pego tendo discussões que nunca irão existir, rizadas que nunca rasgarão os cômodos do nosso lar, isso mesmo, nosso lar. As várias saídas inexistentes para comer com a família, uma impossível viagem para um lugar quente e cheio de camelos. São tantos momentos que nunca viverei mas que já vivi todos eles em um simples enxugar-lágrimas. A cada lágrima que toca minh'alma, salino desejo de afeto que se perde prendendo palavras belas na garganta. 
     Sou muito sincero, você bem o sabe. E, ao mesmo tempo que quero que veja o mundo com o olhar do real, do significativo, penso que seria mais fácil e saudável para ti, continuar com essa tua visão de mundo tão peculiarmente comum. Poderia contar todas as minhas teorias ou observações de coisas gigantemente pequenas. Mas para isso precisaremos do que não temos, tempo e aproximação. Contudo, possamos tentar ao máximo um vínculo imaginário de cor azul, que possa unir nossas histórias de forma perpétua, amistosamente única.

       Apenas não me deixe desaparecer,
       E eu vou te contar tudo.
     

Mural


     Embora não tivesse nenhuma alteração plausível, ainda assim, vi como todas as intensidades possíveis uma diferença variável ao ultimo piscar. Não só os contornos desenhados em espectração do bom humor, mas também as vívidas cores que salutavam a felicidade. De todo e qualquer modo, ver aquele mural não fez qualquer diferença.
     Depois de tantas lágrimas derramadas sob verdades lançadas aos quatro ventos, depois de tantos abraços e afagos, ver aquelas cores só me fazia perceber o que eu nunca tinha observado. O lado cru. Isso mesmo, o lado prático, comum, simples e cru. Sem nenhuma visualização psicológica ou exegese de fundamentais acontecimentos de contemplação ao infinito.
      E mesmo sabendo que a obra nunca será finalizada, tal como quase todos os outros projetos bons na vida cheia de esperanças, mesmo assim é uma grande obra de arte. Inacabada por motivos outros, tantos quanto os quais deixo de postar minhas próprias publicações. Tantas coisas acontecem na nossa vida que um mural é só uma fuga.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Impacto


     Mergulhei fundo em mim depois de descobrir que a verdade era fundamentalmente minha ordem. Desilusões esperadas estavam ali, mesmo sem conseguir viver ao lado teu, meu melhor adorno é um sorriso, mas hoje sozinho eu não conheço mais a dor. Desculpa te dar o privilégio da indiferença, minha amada de outrora, você precisa tomar uma dose de realidade, mas não seja brusca, tome com muito gelo, pois a porrada na consciência vai ser grande. Uma dose de realidade  causa um efeito semelhante a ter o crânio esmagado por uma fatia de limão envolvida em uma barra de ouro de bom tamanho.
     Se um dia pensares em olhar para mim, lembre-te de que sou louco. Isso mesmo, de teorias diversas do mundo comum, de valores ultrapassados e de esteriótipo difuso em questões relevantes aos de autorias imaginárias. Tenha muito medo de mim, pois eu vivo sem precisar mais provar o quanto sou o melhor de todos, ao mesmo que não me importo em mostrar sempre que não sou o já pior do mundo. Um mergulho profundo em si, afogado em questionamentos que não eram meus, e de todos os lados perfaziam líquido abstrato de ilusão e confusão mental.
      O problema de quando você mergulha em si é que você sabe a imensidão onde se aprofundara, ao mesmo que imagina saber o caminho para tocar o solo subaquático. Tenha dó, quem não se conhece não merece o afago nem de Deus, nem do Diabo. Criatura que desconhece o potencial, os pensamentos, e que assim torna-se mutável de meio externo ou pensamentos desvairados. Quem nada contra si, mesmo em corrente favorável, sabe o que é capaz de fazer, pensar e sentir, por mais longínquo que seja a probabilidade do acontecimento, mas a capacidade "variável" é fixa, permanente, imutável.
     E quando chegares ao solo, quando sentir o impacto em si, quando sentires o peito queimar em espetacular providencia divina, quando você acordar, ore. A oração guiará teu espírito, a mente conduzirá aos teus objetivos e o teu coração rogará por misericórdia. A mente ignorará pequenos problemas, o coração já não pulsará em favor do desespero, mas será silente ao encontrar possível abrigo, e o espírito demasiado forte continuará perseverante, pois a trindade do corpo é o solo imerso nos pensamentos mais loucos e absurdos nos quais circulam nossa alma dia-a-dia. Onde nossa projeção íntima fica vagando aos nados em busca de algo, nem que sejam espinhentos corais de "amor", vislumbram os olhos em cardumes de objetivos pequenos tão quanto sardinhas, ou mesmo o desespero de uma ilusão arrebatadora que nos tira o fôlego fazendo nos afogar em nossas próprias lágrimas esmeris.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Valorizo


     E foi entre linhas que tudo se fez combinar, mas não poderia atrever-me a te mostrar o que eu consigo enxergar com meu olhar cor de âmbar. Em poucos eventos de abstração do real, tento dizer-te que és bem mais do que achas, mas não só pelo seu ego ferido, espírito esquecido ou coração abatido. Por sentir uma realização bem mais firme do que os delgados pensamentos que em ti circulam. E nesse meio tempo de aproximação distante, valorizo o meu eu em você, todas essas pequenas coisas de mútuo encaixar, uma conversa auto-completada por outrem, um sorriso roubado, uma música polida em danças únicas.
    O carinho sempre estará presente entre meus braços, com ou sem intenção de um ronco receber. Não quero ser nada além do que já sou, coadjuvante da vida dos outros, isso mesmo, sem roubar papel de ninguém, sem audições para papéis impactantes. Prefiro ser contra-regra, único que observa e já conhece todo o acontecimento e mesmo assim dá dicas e auxilia para que toda a cena seja perfeitamente executada. Este sou eu, nunca pensando em egoístas sentimentos ou seguindo comentários de pessoas vazias. Vivo sempre a observar, tanto o bom quanto o ruim, principalmente o ruim e isto, sinceramente, me deixa cada vez mais com meus pés fincados aos chão. 
    Mesmo não fazendo nada com intenção vil, apenas sigo saltando aos teus olhos aquilo que eu acredito ser o mais importante, as pequenas coisas que você esquece de perceber. As coisas que são de graça, instantâneas e marcantes, essas tais coisas que muitos não lembram que aquecem o peito mais que presentes comprados em algumas vezes no cartão de crédito, são as que eu mais lembro, as quais faço questão de fazer. Provar nada é necessário, apenas sinceridade e carinho. Conversas infinitas, beijos brasais e por fim um até breve. 
    Mesmo com toda essa conexão, juras de companheiros pactuados em olhares seguidos de sorrisos de felicidade momentânea, mesmo com todo esse frisson de coisas possíveis e impossíveis, temos que ter sempre em mente o passo a seguir. Por mais que não pense em nada quando estou a tua frente, mas ao virar o olhar para atravessar a rua, lembro-me que estou em mão dupla, que você ficara na calçada a me esperar e que atravessarei por mim. Simples caminhos diferentes, destinos variáveis, espero que um dia entenda porque mesmo ao teu lado eu não te acompanharei. 

Simbiose



Teu vinho esta noite
És meu sangue quente
que num beijo ardente
escorre em tua boca
perversa e indecente

Tua fome saciada ….
Na minha carne rasgada
Simbiose … dor e prazer
Do gemido e lágrima caída
Que tua língua vem lamber

Banquete para teu deleite
Meu corpo preso em corrente
Onde o carinho é feroz açoite
E a melodia para teu ouvido
És meu grito de tesão doído

Em algemas vejo-me presa
Nas tuas mãos uma vela acesa
E a imensidão que me faz sentir
És minha única certeza
Que não quero mais fugir

Atenção


     Muito embora dar atenção ao que realmente seja necessário é ter a pessoa rotulada de esnobe ou metido, ainda assim é necessário fazê-lo. Vive-se hoje em um mundo dinâmico e instantâneo que não se deixa dar espaço as minimalizações de egos alheios e, por isso, temos que ter certeza que estamos olhando para o lado correto.
     A atenção é dada aos devidos interesses, esperando sempre ser o melhor para nós. E caso não seja, teremos a atenção desvairadas das pessoas ocas e de mente vazia que gostam de burlar a sinceridade e continuar com a pequenez da atenção indevida pela vida de outras pessoas.
    Pare o mundo para dar atenção ao menor, ao colorido, ao rústico universo que se prende entre linhas e traços. A arte merece atenção, seja ela televisiva, ficta, modesta ou onerosamente pomposa. Um quadro, uma peça teatral, uma novela, uma música, um pensamento. 
   Atentos aos objetivos maiores em suas vidas. Atenção nunca é pouca quando o mundo é grande, pessoas são mais de 7 bi, mas a atenção só vem de uma. Você.
     

Beija-Me Logo.



     A combinação perfeito entre dois corpos é o beijo.
     Simples, calmo, avassalador, selvagem, pitorescamente singelo, com toda força, paixão, desejo, tristeza, amor, desgosto, medo, tremulação despojada de sensatez quiçá ternura. 
    O beijo é terno, álbum, pele com gosto de carne. 
    Veste-se de normalidade e vulgaridade maior entre muitos, mas veste-se bem.
    Seja de tamanho pequeno ou grande, acomoda-se melhor se houver sempre algum ou outro movimento cego. 
   Único movimento no vasto breu que não necessita controle, comando ou tato maior.
   Automático e controlável ele é. 
   Modesto e safado, o beijo.

Prince Litorea


     Henrique nasceu entre a realeza, primogênito de sangue-puro nunca se preocupou com nada. Sua vida era a melhor possível, desde criança, sem obrigações e controle, quando já moço feito nada mudara, ele estava sempre em meio de festas e garotas. Os mimos de seus pais o cobria de soberba e antipatia perante os mais humildes, mas um dia, o robusto e sedutor príncipe escolheu brincar com os sentimentos da moça errada, e após quebrar seu coração após prometer todas as terras, mares e estrelas, Henrique arrancou-lhe o que a moça tinha de mais precioso, roubou-lhe o amor.
     Aos pedaços o coração da moça ficou e após vários dias recolhida em seu sofrimento, enquanto o príncipe continuava a flertar com outras moças, como sempre vivera, uma senhora, vendo o sofrimento da jovem fora conversar com o príncipe. O belo moço não deu atenção alguma para a senhora e ainda riu de seu aspecto mendigado e sua feição não agradável, porém o que Henrique não percebeu era que aquela velha senhora era sim realmente uma bruxa como ele havia rido. 
    A bruxa que não tinha nada a temer e muito furiosa com as atitudes egoístas do príncipe amaldiçoou o rapaz. Henrique fora alvejado em peito certeiro e mesmo sem acontecer nada ele ficou apavorado, correu para o castelo em busca de segurança, mas prometera se vingar. A bruxa que não agiu de total maldade evaporou-se no ar, como uma sublime lufada de vento ao empoeirado chão.
   Ao cair da noite, quando o príncipe Henrique fora banhar-se percebeu algo estranho consigo. Sua pele estava pegajosamente colorida, uma aspecto meio grotesco e esverdeado. Ele começou a desesperar-se mas de nada adiantou, gritou por seus pais e enquanto corria em busca de socorro, a transformação continuava. Alguns serviçais da família real correram para conferir o que se passava com o insuportável príncipe, mas ao chegar próximo aos aposentos do rapaz, ele não viram nada fora do comum. Tampouco no quarto dele, na casa de banho... tudo estava perfeitamente aliando e no padrão. As roupas da alteza estavam penduradas  ao pé da banheira, já preparada para um banho, mas ele não fazia presente.
   [...]

Atmosfera


     Entre momentos de observância ao universo, percebi vários cometas e asteroides tentando perfurar minha atmosfera de indiferença. Nesse novo sistema solar de probabilidades mil e personalidades cósmicas, vejo tudo acontecer de forma bem premeditada, sendo possível ganhar previamente sob qualquer aposta futura, previsível ao ponto de ser entediante. Mesmo dando uma oportunidade nova a este tipo de gravitação cíclica, não consigo visualizar crescimento ao meu planeta.
    Há calor e frio suficiente para sobreviver, mas não iria mutar. Permanecerá estável e soluto em quantiformes variáveis de pragmáticas teorias fundadas ao Mesmo. O cotidiano e repetitivo seria normal, mas não de forma agradável. Mesmo vendo vários corpos celestes atrativos no universo, diminuir os químicos atmosféricos que protegem o planeta para que um radiante cometa ou corpulenta estrela adentre ao Novo Mundo, não torna válida a experiência do risco biológico.
    A atitude de manutenção solitária de todo os vastos continentes é mais importante do que a infiltração alienígena em biomas congruentementes perfeitos. Por mais ácidos que sejam alguns desses lugares no planeta, ainda assim, não vale o risco. O espetáculo vislumbrado, do pacífico solo para a atmosfera de riscos e traços, é lindo e memorável, deixando mais prático tal contato imediato profetado do que o físico propriamente dito.

Fantasia

Arte de @raytongart V oltei a ver alguns animes. E, desde que voltei, percebo o quanto o machismo e erotização é exagerada e comum. Todos os...