quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Gestação


     A cada tipo de novo relacionamento priorizamos o bem-estar, a felicidade e outras emoções que pensamos ser necessárias para nutrir o mini-ser que está se desenvolvendo entre elos sublimes de afeto. Tal criatura fictícia demora em média 280 dias para uma completa firmação de corpo; Uma gestação. Sabido que o contato ou convívio deve-se fazer presente e constate para que todas as formas deste feto possa desenvolver-se naturalmente. Há exceções sobre o tempo, mas é quase raro ultrapassar o período gestacional para termos ideia do que está pra nascer.
     Assim como qualquer gravidez, o cuidado com o frágil indivíduo é de extrema prioridade. Carinho e atenção é de praxe, mas deve ser somados com atividades físicas e uma dieta saudável. Atividades físicas que moldam a feição repentina é tão prática quanto recomendada, boas risas, conversas interessantes, falar sobre tudo e algo mais, caminhar, correr, nadar, pular, dançar... Todas essas atividades consagram e fortalece os membros rotatórios que se entrelaçam os braços e abraços em aconchegos e beijos torrentes. Olhos atentos para a dieta rica em carboidratos e proteínas a cima da média, o peso do hospedeiro tem que está em forma para que não traga chagas futuras para o nascituro. A alimentação tem que ser regada ao colorido e natural mundo onde se encaixa o não tradicional, viver de massas e bebidas nem pensar. Mostre-se capaz de sustentar uma rica finalidade de educação digestiva, prefira lugares com hipossensibilidades de verde, evitando assim a gordura sedutora do prático dia-a-dia.
    É comprovado cientificamente que conversar com o bebê ajuda e acelera a formação deste. E assim como qualquer outro relacionamento, o novo relacionamento requer mais atenção. Seja sempre honesto com seu parceiro para que a gestação seja saudável, nunca exite em conversar, crie o elo mais incrível que possa existir em uma relação. A confiança. Quando não temos medo de demonstrar nossos pensamentos e ele é bem aceito e compreendido, seja ele qual for, compartilhamos o nosso ápice de humanidade, a sinceridade sem julgamento. Ter alguém para conversar e compartilhar coisas bobas, sérias ou segredos, é de muito se apreciar e querer por perto, se for alguém que gostamos ou amamos aí se torna impensável não querê-la bem, querê-la conosco e prezar sempre por sua felicidade.

[Crescendo]

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Happy Hour


     Experimento um momento diferente, o de interação extrema com pessoas os quais sempre temi, aqueles seres que sempre foram os alvos das minhas observações mais vis. Minha credibilidade com o mundo natural é de fato bem mais prática e funcional quanto aos do mundo alternativo, mas dou-lhes neste momento minha melhor chance para tirar a imagem ruim que o universo criou.
     Mesmo pretendendo apenas conhecer esse universo, já apresento uma perspectiva mais real daquela no qual me apresentei. Esqueci que tal parte da sociedade não é tão transparente e que para sobreviver a tal modo de vida tem que ter apenas uma coisa, malícia. Essa desenvoltura esguia e egoísta é típica nesse grupo de seres, pois eles tendem a ser ardilosos em grupo.
    Como todo e qualquer círculo social, tem problemas, suas soluções e seus maus-entendidos. O que já é costumeiro no mundo natural, neste aqui apresenta consequências devastadores, pois tudo é motivo para dar início a uma grande, veloz e violenta bola de neve metafórica. Isso mesmo, é muito perigoso andar em bando no qual não saiba se situar.
    Ser verdadeiro e ter cautela é o melhor conselho para quem experimenta outros meios sociais além da Zona de Conforto. Confiar é o segundo passo, mas não se esqueça de fazer o "Ouvido de Mercador" e a "Egípcia" pra certas coisas que acontecem, pois algumas coisas só interessam aos interessados interessantes.

On The Wall


     Sempre que visito alguém, procuro logo pelas memórias daquela família. Corro os olhos em busca de enfeites, fotos e outros modeladores do lar. As mais comuns formas de presença reminiscentes são as fotos, emolduradas em diversos tipos e cores, distribuídas em pontos comuns e estratégicos e comumente apresentadas pelo anfitrião. 
     Mesmo que sejam fotos de amigos, família e/ou amores, é sempre bom ter cautela ao lançar a proposta de expor tais lembranças, pois é tido como narcisismo ou auto-promoção. Isso mesmo, dividir um mural de fotos com nove fotos de sua visita na Índia e apenas uma na cidade onde mora é meio "promoção" demais. Nada contra as boas memórias de lugares e pessoas únicas, mas é bom ter cautela no que você quer passar as pessoas.
   Outro detalhe é, uma coisa rara hoje em dia, os posteres de ídolos ou fotos de artistas. Não sei o que ocorrera com minha geração, mas não vejo as pessoas se importando com os reflexos sociais conhecidos como artistas e cantores, parece que tudo isso ficou perdido na adolescência e hoje é condenável até. Se você é fã de alguém já é algo indissoluvelmente indigesto e se for acima dos vinte anos então, frustrado na certa!
  Acredito que essas visualizações de extensão memorial é um ponto extra no quesito carinho, pois alguém que mantem próximo a si as recordações saudáveis é alguém que certamente presará por novas memórias e novos momentos, para que um dia seja, eternamente, bem-quisto na mesa de centro aos olhos dos amigos, numa calorosa e nostálgica tarde de domingo.





B-Day



     Se aproxima a data que mais me entristesse, que queima minh'alma em agonia, aquele dia que me deixa em prantos íntimos, que atordoa a esperança e alimenta o medo. Chegará em breve o dia do meu aniversário e já em clima de melancólica alegria escrevo-te.


No dia do aniversário
A gente às vezes tem vontade
De se esconder dentro do armário
Mas aí vem um com um beijo
Outro realizando um desejo
E aquele que está sempre atrasado
Chega super animado
Estourando um champanhe
Mesmo que eu estranhe
E não entenda muito bem
Por que tantos parabéns
Fico feliz com os presentes
Agüento melhor os parentes
E não me pergunto na hora
O que há de mentirinha
Nessa anual história
Quem me dera tanto afeto
Duas vezes por semana
Pra derreter a couraça
Pra amenizar minha gana
Congelaria se possível
Muitos pedaços do bolo
Pra durante o ano carente
Come-los como consolo

(Elisa Dias Batista)

Defeito de Capa


      E dentre várias técnicas de memorização, eu utilizo a do defeito de capa para lembrar das pessoas que eu acabo de conhecer. Quando vou comprar uma revista ou livro, eu procuro logo se há um defeito na capa ou em sua brochura para que eu avalie se este me servirá. Tão hábito que, faço isso com as pessoas, não de forma negativa, mas de forma bem criativa.
    Sempre que conheço alguém eu percebo algo nela que me incomoda, ou que atrai os olhos. Pode ser a dentição muito separada, uma gargalhada diferente, brincos da moda ou apenas um sublime olhar. Essa cateterística sempre perdurará no tempo e me ajudará a dar nome à pessoa quando, por mais tempo possa passar, eu precisar lembrar dela.
     Alguns desses nobres detalhes são tão comuns quanto os próprios comentários adjuntos. Principalmente ser tal diferencial for físico, entretanto existe os defeitos de situação, como conhecer alguém que acabou de cair no meio da praça de alimentação do Shopping Center lotado, ver a pessoa segurando os saltos porque está com calos ou mesmo uma mancha suspeita em sua roupa.
    Todo mundo que conheço tem seu defeito de capa, uns bem engraçados e outros bem sinistros, e não se faz necessário comentar sobre eles, pois não faço disso chacota, mas sim uma forma demasiado carinhosa para que eu possa sempre lembrá-lo.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Virginianos



 Sou virginiano...
 Virginianos nascem na primavera, nem por isso suas vidas são um mar de rosas.
 Virginianos são artistas, talvez por isso vivam sempre na corda bamba.
 Virginianos são precisos, mas odeiam precisar.
 Virginianos são felizes, mas, nem por isso, deixam de lado as dores imaginárias.
 Virginianos são poetas e, talvez, sejam loucos por isso.
 Virginianos têm manias que nenhum outro mortal consegue entender.
 Virginianos amam ser amados e amam intensamente.
 Virginianos se acham perfeitos e pecam por querer a perfeição dos outros.
 Virginianos são libidinosos, libertários, amantes da vida.
 Virginianos querem o mundo, mas, nem sempre sabem onde estão os próprios pés.
 Virginianos são como peixes que se deixam fisgar por anzóis da vida, mas, livram-se deles com a facilidade dos pescadores do mar nórdico.
 Virginianos são boas almas, mas se torturam, se roem, se doem, se machucam e machucam sem querer.
 Virginianos são setembrinos mas nem por isso deixam escapar os outros meses de seu calendário louco.
 Virginianos dormem pouco por pensar demais.
 Virginianos se acham os tais e, quase sempre, sofrem por isso.
 Virginianos têm o dom de iludir, mas, quase sempre acabam iludidos.
 Virginianos amam como poucos, vivem como loucos, vivem vagando, vivem chorando.
 Virginianos são seres comuns tentando bancar super heróis que no fim do dia só querem um abraço, aliviar o cansaço entre letras e sentimentos.
 Virginianos são Michael Jacksons, Anas Carolinas, Freddys Mercury, Arnaldos Antunes...  enfim...
 Ser Virginiano é fácil!
 Você tem que Amar sempre, isto nós tiramos de letra.
 Você tem que estar nos compromissos que os outros estabelecem em primeiro.(isto é possível somente aos virginianos.)
 Você tem que ver a necessidade do outro, antes mesmo que Ele perceba.
 Você tem que comprar presentes para dia dos namorado(as) antes de tê-los(las).
 Você tem que ser util à todos, o outro em um lugar, AMAR! 

Amizade



Pode ser que um dia deixemos de nos falar... 
Mas, enquanto houver amizade, 
Faremos as pazes de novo. 

Pode ser que um dia o tempo passe... 
Mas, se a amizade permanecer, 
Um de outro se há-de lembrar. 

Pode ser que um dia nos afastemos... 
Mas, se formos amigos de verdade, 
A amizade nos reaproximará. 

Pode ser que um dia não mais existamos... 
Mas, se ainda sobrar amizade, 
Nasceremos de novo, um para o outro. 

Pode ser que um dia tudo acabe... 
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente, 
Cada vez de forma diferente. 
Sendo único e inesquecível cada momento 
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre. 

Há duas formas para viver a sua vida: 
Uma é acreditar que não existe milagre. 
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.

-Albert Einstein

     

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Pokebola


      Calma, caro leitor, essa postagem não é sobre os 9.999 tipos de pokemons, também não é sobre o novo jogo para 3DS. O que vos trago é uma coisinha que a psicologia chama de Zona de Conforto. Você já ouviu falar sobre?
      Pois bem, Zona de Conforto é aquele espaço quadrimensional onde reserva a sua preservação. Possuem dois aspectos que se desvinculam entre físico e psíquico, geralmente essa separação tende a criar na pessoa uma definição natural do que lhe é mais confortável, pendendo sempre a Zona de Conforto psíquico a um trabalho mais perspicaz de auto-controle.
      Tal espaço físico pode ser um local propriamente dito, como um quarto, um canto da sala, um leve mergulhar na banheira, uma sombra sob o coqueiral... Realmente é um espaço que te trás proteção ou sentimento de segurança. Fato interessante é que existe um tipo de criatura que trás essa sensação de segurança em braços largos, o que é sempre bom um encontro com esses seres, mas nem sempre eles estão por perto, logo torna-se válido o retorno ao ponto de restauração da ordem psíquica, a Zona de Conforto física.
      As muretas mentais que construímos através de marcas como traumas ou antipatia social, nos dá carga para uma preservação psicológica. É como ouvir uma música favorita mentalmente enquanto toca uma música que você odeia no mundo físico, ou então você ler os lábios do apresentador da tv muda em plena fila do banco só para não ter o SmallTalk com os membros da fila. A segurança mental vai muito além disso, a Zona de Conforto mental é, quando muito bem escupida, um cofre de segurança máxima extrema, onde só existe seus pensamentos e você mesmo que o mundo exploda.
     As Zonas de Conforto é um refúgio para tudo aquilo que nos faz mal e que nos abalam, isso não quer dizer que tudo o que nos tirar da normalidade nos vá fazer correr para a tal zona, muito pelo inverso. As ZC's são utilizadas em casos extremos ou de ultimo recurso, por isso que não é natural ver alguém em uso da ZC mental, e bem mais natural a fuga para nosso lugar de evasão do stress comum, a busca da ZC física é bem mais prática.
      
     

       

Couches


       A nossa formação instrucional nos delimitou vários aspectos classificatórios para que didaticamente ou cientificamente, fosse mais propenso ao entendimento. Tudo tem sua classificação, fases ou camadas. Isso é fato comprovado cientificamente por mim, dou-te exemplos:

1) A atmosfera é constituída de cinco camadas: troposfera, estratosfera, mesosfera, termosfera e exosfera;
2) A água possui três estados básicos sendo: Sólido, líquido e gasoso;
3) A pele apresenta duas camadas: a epiderme e a derme;
4) A terra tem estruturalmente: a crosta, manto e núcleo;

     Cada parte dessas camadas classificatórias têm suas próprias características e usos, sendo também necessário frisar que tem outras camadas dentro dessas camadas. Uma anatomia analógica sempre se faz presente ao abordar trajetos específicos como este, tanto é que a personalidade humana possuem várias facetas.
     Se desde sempre tomamos conhecimento que nada é apenas o que nos apresentam, por quê algumas pessoas fazem questão de ter a aparência psicovisual como sendo a única e verdadeiramente constante? É diminuto o intelecto daqueles que tomam por julgar e definir padrões personalísticos em um único contato com o ser e deste não esperar nada além do que vê. Autores dizem que a personalidade comportamental segue uma regra de três peculiares aparições tidas como Ego, Alter-Ego e Id, outros porém, acreditam que há doze maciços pilares da personalidade que identificam as bases da capacidade do indivíduo, sendo esses a Astrocaracterologia, Temperamento, Cognição, História pulsional, Ego, Vocação, Papéis Sociais, Síntese Individual, Personalidade Intelectual, Eu transcendental, Personagem e o Destino final.
     Faz-se mister, uma exegese sobre estes assuntos, o que farei em outras situações, mas por agora acredito que tenha te convencido em não ser leviano e julgar uma pessoa por simples infantilidade de construção intelectual própria. Dê sempre ao outro, seja ele quem for, a oportunidade da dúvida e credibilidade no empírico convívio com o diferente.
     Expectativa gera frustração, cansei de falar. Não há nada que possa te surpreender em alguém se sempre você lembrar que somos todos viventes no mesmo mundo de possibilidades e que somos capazes de qualquer, eu disse QUALQUER coisa, tanto boa quanto ruim. De todo e certo modo é geralmente bom, sabermos onde e como estamos lidando com cada caso que nos apresentam, por isso, conheça-se. Só um bom conhecedor de si poderá identificar as várias camadas das várias personalidades e saber lidar com cada qual, ajudando-se e ajudando outrem.



sábado, 4 de agosto de 2012

Cute-Cute


       

       Formatos arredondados, cores macias, olhos saltados. Essas são as características básicas de cartoons que nos fazem querer abraçá-los; são os fofos, lindos, meigos e abraçáveis personagens que aparecem nos filmes e desenhos. Eles sempre possuem uma tragédia que os acompanha, seguido da busca de demonstrar a aceitação exterior, geralmente aos pais, isso faz com que nos identifiquemos automaticamente com o personagem, pois todos buscaram ou buscam tal prestígio.
      Ser fofo, no sentido mononucleico da palavra, não é ser ingênuo, mas sim ser uma criatura do bem, no qual não possua em sua essência a maldade e/ou malícia do mundo real. E ser gentil, agradável e prestativo são algumas das características de pessoas fofas que podemos encontrar. Alguém é fofo quando sua alma é simples, suas palavras são transparentes e seus olhos são infinitos, e reconhece-se uma pessoa fofa pela sua integralização de sorriso sincero e cândido olhar.


      A criatividade é ponto forte nesses seres, tanto quanto a coragem de fazer o certo. Pode-se até ser atrapalhado, como quase todo Fofo o é, mas é algo que também encanta, uma figuração comportamental de trejeitos que se desenvolvem como animais próprios para serem domesticados. A perfeição é de longe o que se encontra nos Fofos, mas todo esse mix de curiosos aspectos em uma só pessoa faz com que ele seja um alvo de interesse. De certo modo isso é teoricamente ruim, já que sempre ronda, perto dos Fofos, seres que querem manipulá-lo ou apenas aproveitar-se deles. 

       

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Desejos Proibidos



Desejos proibidos, lascívia, tesão
Teu sexo em minha boca
Meu sexo em tua mão
Você já quase louca
Caindo em tentação


Assim fica difícil, não quero mais parar
Vou nessa com você
Onde você está?
Não quero nem saber
Mas eu quero jogar


Um jogo sem regras e sem nenhum juiz
Onde eu posso ser louco
Mesmo só por um triz
Fazer de tudo um pouco
Sem medo de ser feliz


(Mauri)

Robótico



  O Homem de Lata, depois de uma pausa. 

- Para mim, cérebro tem pouca importância.
 - Ah!... Isso é porque deve ter um bom cérebro – apressa o Espantalho.
 - Não. Minha cabeça é completamente oca. Mas já tive cérebro e coração. E, por ter experimentado os dois, prefiro mil vezes o coração.
 - Uai, por quê? - Isso é uma longa história.
 - Prometeu contar para nós – recorda Dorothy. 


       Entre tantos contos e outros pontos, a mágica de Oz é uma figuração circunstancialmente concreta aos meus olhos. Abordando tantos assuntos sociais de uma maneira sutil e bem valorizada por aspectos peculiares dos personagens, que deveria ser um livro bem-quisto aos lares comuns, tal como O Mundo de Sofia.
      O paradoxo entre amor e razão é claramente destruído pelo personagem que escolhe o amor como sua forma de pensar, não significa que ele seja burro ou inteligente, mas que o sentimento que tivera o tocara de uma forma tão avassaladora que, mesmo não tendo um coração, possui em sua mente as lembranças de como é amar e o vácuo em seu peito clama por um calor que nenhum outro órgão pode oferecer.
      O palpitar acelerado do coração ao ver,pelos olhos de robô, a pessoa amada, o embrulho de lepidópteros   no estômago niquelado e o ranger das articulações sob desejo, fizeram o Homem de Lata buscar o amor. O que é contrastado pela realidade atual, onde parafusamos o máximo de proteções contra os ladrões de afeto ou exploradores de mundos, onde nós queremos ser frígido e insensível para não mais sentir a dor que é amar.
       [procurando peças]

Pequenas Grandes Conquistas

A pergunta era simples: Qual a grande conquista que você só conseguiu quando adulto? As pessoas respondiam coisas diferentes umas das o...