domingo, 27 de maio de 2012

Sublime


       Não importa a situação, seja sutil. Captar verdadeiros interesses e pensamentos requer muita perspicácia, com o treino específico é possível ter o controle da versatilidade desses jogos mentais e sempre, afirmo apropriadamente, sempre será possível obter êxito. Contudo, vide a condição do resultado, esteja pronto para a resposta verdadeira para a questão sublime.
       Rodopios, reviravoltas e loopings, tudo isso pode acontecer em conversas de significados importantes, cabe à você ministrar potência verbal para conseguir devidas informações. Trabalho de repórteres e investigadores, mas pode ser utilizado por qualquer pessoa, receber informações cruciais de um rival, de um grupo de pessoas ou só de seu paquera. Tudo dependerá do jeito que você move as palavras, um verdadeiro labirinto de lábia e gestos.
       Sabendo como ir e vir de qualquer conversa é possível, também, evadir-se de inquisidores ou conversas monótonas. Quem tem o controle do leme de uma conversa, adentrando as saídas de colisão de interesses, pode-se circular os variados assuntos com qualquer pessoa por mais que não sejamos letrados o suficiente para seguir ritmo desta conversa.
       Como um submarino se locomovendo em terra firme, algo impossível de se dizer, porém para aqueles mais visionários, apenas um jeito diferente de se tomar as informações do meio. A instrução é deveras importante para os iniciantes em oratória objetiva, esta no qual o objetivo maior é a obtenção de certas informações ou ações, portanto se quer começar nessa prática interessante de interação humana, comece observando seu meio, os diálogos e expressões. Aos poucos você poderá traçar perfis, após os perfis genéricos virão os específicos e daí a verdadeira obtenção de pontos importantes. Mas não esqueça, seja sempre sutil.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Apollo 11


       Astronautas do universo comum, onde cada planeta é uma pessoa. Cada sistema é uma família ou grupo de amigos. Os astronautas ou apenas exploradores, vão desbravando o universo em busca de algo, que nem eles sabem o que seria.
       "Você poderia ter sido o único, mais fez questão de ser apenas mais um." São palavras dos habitantes de um planeta quando ver o explorador indo em busca do seu algo em outro planeta. Elas sempre foram assim, pode até ser um vício, mas geralmente é levianidade ou apenas frustração própria. Vagam o universo sondando planetas diferentes, pela simples arte de descobrir, circulando atmosferas calmas ou hostis, até conseguir o que querem. Explorar.
       Adentram no planeta com toda cautela, mas já tentando colonizar e ganhar espaço por todo o tempo possível que lhes interessar, enquanto tiver interesse específico ficará ali absolvendo e estudando todo o potencial daquele planeta que pode ter muito a oferecer. Mas, por mais recursos que este planeta tenha e toda uma inovadora tecnologia de forma ao pensamento, nunca é suficiente para o Explorador, fazendo-o ir em busca de outro planeta diferente.
       Esses seres encantadores e prometedores dos mais (im)possíveis fatos, não sabem ao certo o que querem, por isso buscam em determinados planetas algo que o faça crescer, algo que valore seus status ou condição psico-social. São pesquisadores de si, aglomerando recursos de planetas distintos, podendo passar pequenas ou longas temporadas de pesquisas e visitação desde a maravilhosa vista do mar até as mais profundas grutas do obscuro eu planetário. Tudo dependerá do elemento que esse explorador busca no momento, após a descoberta e a colheita de amostra, passará para a análise e só assim começará a sondar outros planetas.
       Mas não preocupa-te, esses astronautas de sentimentos só deixam o planeta atual quando já tem um pronto para recebê-lo e, para isso, é necessário algum tempo de sondagem. E depois você de incrível planeta promissor, logo será uma estrela distante, mas o importante na vida não é ser uma estrela, é acima de tudo saber brilhar. Fazendo com que a permanência desse indivíduo em suas terras não tenha sido total mentira, mas fonte de aprendizado e melhorias atmosféricas que detenham tais oportunistas.
       Quando o planeta tiver experiência suficiente, a atmosfera matará o interesse infantil do invasor, fazendo-o morrer as expectativas antes de chagar ao solo. Uma missão para ele falha e para nós vitoriosa. A tentação surge e poderemos sucumbir nossas defesas, porém temos que saber o que queremos e criar delimitadores para espantar tais curiosos. Tudo na vida depende de uma ideia inteligente e de uma decisão firme.
       

terça-feira, 22 de maio de 2012

Lá Fora


       "A ignorância é uma benção", de fato isso muito me conforta, de fato isso muito me inveja, no fato não sou abençoado. Incrível me deparar com mundos tão intocados quanto explorados por seus abitantes, são mundinhos tão simples e tão potencialmente ávidos de sucesso, são mentes de pessoas boas que não conhecem o mundo real. Não ousaram em adentrar pelo chão molhado, prédios ásperos de ilusão e céu cinza  que existe no mundo real.
       Analiso todos os pensamentos dessas pessoas com sede de vivência, sinto a emoção da ingenuidade abrir em simples sorriso, olho em volta o meio e vejo o motivo de tanta coisa boa. A bagagem empírica é o que nos faz homens e mulheres de verdade e quando mais monocromático é nosso pensamento, nosso mundo, mais adulto estamos nos tornando. Não queria possuir tamanha experiência do mundo real, porém como em Matrix, uma vez que você vê o mundo como realmente ele o é, jamais você poderá ignorá-lo. Consigo passar por cima de muita coisa, driblar situações, mas a óptica verdadeira é branco no preto.
       Invejo ver as cores do teu ponto de vista, invejo o mundo lá fora que não compreende a beleza de um simples pensar, de uma brincadeira, de uma piada, de um "empurrar com a barriga". Neste mundo multicolorido que vivem algumas pessoas, algumas boas pessoas, é uma das coisas mais fantásticas que se possa existir em um ser. O sonho. Acreditar que realmente tudo é possível e sem complicações, sem responsabilidades massacrantes, esse fora o espetáculo de vida que tive a oportunidade de colocar as mãos por poucas horas, porém suficientes para encantar.

Vazio.


       A busca utópica da felicidade regra a existência da humanidade. Sempre buscamos o melhor para nós, um melhor conforto, um melhor sentimento, um melhor carinho, mas sempre uma melhora e podemos encontrar, por várias vezes, essa forma volátil de felicidade em pequenos momentos de nossa vida. O que não garante o bem estar súbito do nosso espírito, fazendo nosso eu ir em busca de mais felicidade.
       Acredito que felicidade seja uma situação, não algo que seja concreto e eterno, muito pelo contrário, esta tal felicidade que é buscada por tantos é finita e simples, sem brilhantes ao redor, tampouco perpétuo efeito. O que faz-se necessário sempre ir atrás de algo que supra esse vazio que apresenta multifacetado dentro de nós sem qualquer vergonha de se mostrar presente. Cabendo apenas a nós próprios a efetivação desse autocompletar, o que me faz sentir um custo grande para tal recipiente carnal de angústia e medo.
       Dizem que um amor pode adentrar esse vazio e completar o espaço que dentro de nós habita, espero que isso seja verdade, pois assim teremos uma possibilidade boa de se sentir completo e amado ao mesmo tempo. Não garantindo que seja essa a proporcionalidade do meio externo para o nosso íntimo, mas vale a aposta. O vazio existente há de ser contemplado por algo grandioso, peculiar, amável e enaltecedor. 
       Mesmo que esse sentimento deixe de existir, o vazio ficará completo por algum tempo, até as desesperanças e mágoas corroerem todos os sonhos que ali se fez domicílio. E logo partiremos para outra coisa que nos fuja o pensamento desse oco espaço dentro de nós, talvez uma compulsão, uma fobia, uma paixão, uma frigidez. 


sábado, 19 de maio de 2012

Jetztz!


      O que diria o ontem vendo o amanhã? Bem, não sei o que ele diria como personificação do passado, mas sei que tudo dependeria do presente, e este é muito instável. Tão instável que até mesmo nele, temos o poder de mudá-lo a qualquer momento, isso claramente com uma dose extra de risco e consequência. Mas o hoje é tão mais proveitoso e tranquilo quando o ontem e o amanhã. Ontem é uma delimitação do passado. O ontem pode demonstrar conhecimento, fraqueza, vitória, e tantas outras coisas boas e ruins, já o amanhã é totalmente sem delimitações, pois nossos planos são para o depois do futuro, já que o randomismo da vida nos leva para onde quer seguido das nossas escolhas.
      Agora é hora! Quantas vezes nós ouvimos essa frase e com ela aquela força íntima de vencer? Mas o agora é quando? É agora quando eu leio? Seria mais tarde quando eu for no supermercado? Seria antes do filme que começa? Quando é exatamente o agora?
      Agora é hora, é o momento que cresce suas forças, o agora é qualquer momento, mesmo que seja eterno. É a vontade involuntária que brota da essência do ser, é a motivação perspicaz que nos faz arriscar sem temer os riscos ou consequências, e já tramando essas possíveis tais.
       Por isso, quando o ontem olha para o amanhã ele nunca pode se surpreender, pois o presente, o agora, pode mudar nossas vidas de uma forma surpreendente. Creio que seja este o motivo dos mais velhos sempre falarem a máxima "Nunca diga nunca" e "Não cuspa para cima", vai ver é disso que eles fazem alusão. Quem diria que o hoje seria tão diferente do ontem (algum tempo atrás) e que o amanhã será tão semelhante ao hoje (daqui há uns anos)?
       Nunca desperdice uma sensação do Agora, pois como ele é avassalador, vem fácil e também vai fácil, é uma desmotivação pequena, um probleminha que o faz voltar o envolucro do nosso íntimo. Descubra o que te motiva e segue em frente, pois o a hora é agora.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Má Educação?


       Todos me olham cruzado quando digo que quero ser professor. Não sei o motivo que as pessoas não valorizam tal profissional, pois eu já tive vários tipos destes profissionais, tipo vários, tanto os ótimos quanto os ruins,  inclusive aqueles que não servem nem para apagar o quadro negro/branco. Minha indignação não é para os professores despreparados, mas sim aqueles que são possuidores de títulos e status e se acham o dono da verdade, tanto é que esquecem a valoração do indivíduo e acabam passando por cima do caráter e respeito dos alunos.
       De ultima, obtive apreciação negativa para com um profissional que se diz da educação, possuidor de todas as estrelas possíveis e aparições televisivas, e em uma aula no qual deveria ser passado as formalidades e construção de um instrumento jurídico, apenas é passado o caso em si e nós nos viramos em trinta, com ajuda da internet móvel, celulares, tablets e afins, conseguimos um modelo no qual projetar. Todavia, nesta aula muito importante para o curso, apenas aprendemos o que é errado, o certo para se fazer não nos é passado ou pelo menos o tutorial, antes fosse apenas esse o problema, mas a indignação se fez presente nas palavras de baixo calão proferidas sem qualquer esmero para com os aluno, para comigo isoladamente pelo motivo da falta de respeito perante a classe educacional ao qual eu quero seguir.
       Engoli seco o desprezo dado por ele ao meu trabalho. Mas não desestimulei o meu objetivo, pois seres assim só me encorajam mais, pois só assim saberei como não ser. Quero ser alguém para somar ideais, semear ideologia, fazer os alunos descobrirem suas próprias habilidades e vocações, sempre respeitando as limitações de cada um. Olho para ele hoje e para outro professor amanhã, impossível não comparar metodologias, mesmo que uma seja puramente positivista e arcaica, entretanto não espero piadas em aula ou informações Hightech.
       Ser um bom professor é não ter olhos de medo ao responder os questionamentos dos alunos, é ver o rosto de dúvidas destes irem embora ao fim da explicação, é ser chamado pelos alunos para tirar duvidas nos corredores, é um abraço de um aluno nos lugares mais (im)prováveis como shoppings, praias, bares, restaurantes, cidades do interior, clubes, e todos os outros lugares que nós humanos vamos em nossa folga. Para mim ter professores que te olham como igual e sentem prazer em conversar sobre todas as dúvidas e questionamentos possíveis, esses sim eu dou todo o crédito. 
       Não precisamos ser alundo chatos e robóticos, tampouco chumbetas ou balança ovo, mas podemos tirar mais do professor como exemplo de profissional que disponibiliza sua própria experiência de vida para nos dar um norte, uma noção do mundo real do nosso curso. Lembre-se que não é necessário amar todos os professores, mas é preciso respeitar todos os tipos existentes, questão de dignidade, e lembra também que o professor para estar à frente de pessoas que os tem como torre de orientação e disseminador de ideias, caro professor você é obrigado a abraçar a causa, tem que ter vocação. 
       Dias ruins existem, existem para todos nós, mas o estímulo de ensinar perdura no sorriso de uma piada casual, nos traços ao quadro negro/branco, no "Bom dia turma", e inúmeros outros momentos que nos mostra o quanto o professor é humano, que ri, que sofre, que tem dores, que tem problemas familiares, que batem o carro e que também chegam atrasados. Falo de determinados professores batendo no peito e brinco dizendo "Quero ser ele quando eu crescer". Humanos somos todos, mas para mim os meus, queridos professores, são quase Deuses.
       

30 Segundos


       Dei uma pausa na minha vida logo quando cheguei do mundo já pronto para as outras atividades, olhei em volta e não aguentei, deixei cair tudo ao chão, encostei-me na parede e respirei fundo. O corredor principal nunca me acolhera como hoje, olhei para mim e pensei no que eu estava me tornando, algo bom, ou algo ruim? A resposta brotava do chão com toda a certeza de um caminho bem tomado, a opção certa da encruzilhada de outrora, as setas abriam mais opções de vida moderada, olhei para o alto.
       O respirar ficou brando, senti a respiração entrar pelas narinas, percorrer faringe, traqueia e pulmões. Como foi bom tirar o peso da vida naquele momento. Escorreguei as pernas ao relaxar, espalmei as mão à parede e foi ali durante 30 segundos que se fez paz em minha vida. A mente descompassou, esvaziou-se em leitoso teto advindo da transfiguração da ultima capturação óptica. O espaço apertado de idas e vindas se exatamente proporcional a minha necessidade.
       Foram os trinta segundos mais longos que eu tive de todo o ano, foi o suficiente para me dar energias e vontade de continuar caminhando para frente. Bem pudera ter outros momentos assim de compaixão própria, da auto análise, de parar um mundo e descer por um tempo. Retomei o olhar para a parede à minha frente, era hora de seguir adiante. Tomei as coisas em mãos e partir para o continuo dia de no qual trinta horas é pouco para satisfazer as minhas necessidades de estudo e trabalho.
       

sábado, 12 de maio de 2012

Call Me Back


       Era o ranger da madrugada que me alimentava, a ferrugem me observava, o frio corria pela solta fazendo estremecer corpo e alma. Estava com o telefone na mão, rezando para ter um boa noite de quem quer que fosse e a lua estava sob minha cabeça, amarela, grande, cheia, matando minh'alma com toda a esperança de alguma criatura lembrar de mim.
       As nuvens passavam por mim desejando uma boa noite, mas não eram delas que queria ouvir o sussurrar de atenção. Atentei a ligar para você, mas não poderia correr o risco de jogar anos de terapia no lixo, me contive, agarrei a humilhação com força e engoli toda ela com vários goles de orgulho e medo de ouvir o que não queria, ouvir a verdade.
       Os pensamentos rodavam minha cabeça por todos os lados, querendo motivos e criando teorias. Perdi as contas de quantas vezes li teu nome e número, já nem lembrava quantas vezes repeti para mim mesmo não fazer aquilo, então deixei de sentir as pancadas do telefone na cabeça. Precisava ligar, precisava saber como você estava, com quem estava e o que estava a fazer, mas tudo isso ficou no mundo das ideias, pois o realismo chegou com o sol e logo que o dia clareou, logo que fez secar as sanguinolentas manchas de carência do meu telefone, fui lavar o rosto para começar outro dia normal de trabalho, disfarçando a dor.
       

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Blink



       Em um piscar de olhos tudo acontece, inclusive o impossível. Melhor dizendo, não seria impossível, mas sim uma subjetiva possibilidade remota da invariável e quantitativa realidade alterada e fugas. Pode até nunca acontecer fisicamente, mas em um mundo de infinitas possibilidades, já aconteceu. Isso sem precisar de muito esforço, bastando apenas fluir o 8º Sentido, a imaginação.
       Tornando-se real qualquer forma de interação sensorial e emocional, em um simples piscar d'olhos o real se aprofunda em um mundo de incríveis façanhas e extensionistas objetos. Apreciando esse momento com soberba apenas será uma visão conturbada de um pensamento qualquer, tolo este que não remete o instante sem fim para a alusão de uma ideia importante, teorema decifrável da incógnita que se per faz no subconsciente. 
       Não desperdice uma epifania com ideias conjecturadas em concreto pensamento habitual de vivência supérflua. Arrisque, ouse, abuse da distração. O acaso pode surgir do nada, e pode passar pelo mesmo se você não atentar por ele. Não banque o bobo ao rir de idéias que não te convém, o que pode ser impossível para você, pode se tornar real para outrem e vice-versa, tudo é uma questão de perspectiva, e cai entre nós que a minha perspectiva é bem mais divertida que a sua.
       Seguro? Talvez nem tanto, mas o melhor desta abstração é justamente o surreal que acontece, tal como um sonho onde você não tem controle sobre a forma, tempo e paisagem, apenas segue um roteiro pré estabelecido por Deus-lá-sabe-quem e o sonho apenas acontece. E o motivo real disso tudo é que eu tive uma imersão no surreal, a película da realidade novamente se rompeu ao passar da faca sutil da introspectividade, o que resultou na ideia mais impossível de todas, a felicidade.
      Pode até não fazer sentido, mas para uma mente criativa qualquer palavra é um mundo totalmente novo, e esta, me fez crer em um universo bem interessante. Em breve, ocorrerá algumas modificações e quem sabe você não fará parte disto? Possibilidades... Vivemos em um mundo cheio delas.



domingo, 6 de maio de 2012

Luto


       No decorrer de nossa vivencia, atravessamos momentos únicos de mutação íntima e complexometria metafórica externa. Para cada transição importante e que marca nossa transição de um estado físico para outro, nos deixamos levar pelo momento, pelo fato ou pela condição geral da situação. Entretanto há momentos que são tão turbulentos em nossas vidas que, para nos dar foco, apegamos a um momento ruim, uma morte, um acidente, uma doença... Deixamos o sentimento de tristeza dominar nosso ser para nos dar conforto próprio para que possamos superar o restante do mundo, como se estivéssimos no olho do furacão, estando "seguro" por um pequeno momento. Isto é chamado de estado de Luto.
       O luto pode durar meses, ou apenas alguns dias. A dor do luto é tão grande que nos faz parar o mundo para refletir por momentos peculiares, transformando toda a bagunça que surge nas nossas cabeças em ideais boas e ideias ruins, a limpeza mental acontece nesse estado físico e mental. Pode-se ainda, no estado de luto, influenciar projetos de concretização futura, o que de fato pode ser o que estávamos precisando ou não, o risco de projeção nessa fase é grande, mas faz-se necessário.
       Lembrando sempre que o luto não é o mesmo que depressão, carência ou outros sentimentos cinzas que surgem em nossas vidas, a caracterização do luto é justamente o marco negativa que nos apegamos para dar continuidade ao turbilhão de problemas que nos trespassam naquele momento. Após o momento dificultoso que passamos, acaba logo em seguida o luto. Entende-se também que o luto pode se dar em pleno momento de evasão social, ou seja, podemos continuar sorrindo e vivendo como se nada tivesse acontecido, mas continuamos carregando o peso de uma tristeza sem controle que nos toma peito por algum acontecimento, o que pode não nos abater no cotidiano, mas nos tira sono e ronda nossos pensamento o dia inteiro.
       Haverá sempre festas, amigos, família e amores (antigos ou novos), para que nos ajude na fase do luto, muito embora nada disso adiante, pois mesmo que estejamos saudosos nesses espetáculos sociais, ao cair da noite, o sentimento volta a tomar conta, nem que seja na hora do banhar. E caso isso aconteça, a mascaração do luto, não significa que está sendo bem superado ou que logo passará. Apenas sabe o momento certo de encerrar o luto a pessoa que por ele o passa, de nada adianta se a transformação não vier de dentro, e como supra citei, o luto é uma forma de conforto pessoal, logo (entendo eu) só deixara de existir quando o vendaval de problemas passar ou pelo menos reduzir em grande potencial.
       Este estado é um marco em nossas vidas, como um catalizador de evolução do ser. Pode ser totalmente radical ou bem programado, a mudança que ocorrerá não importa, sendo visualmente, mentalmente ou psico-espiritualmente, nada disso importa, o que realmente importa é que ocorreu uma mudança. Se é demonstrável ou não, pouco importa, contanto que você não mais sinta-se em luto.
       

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Fall


      Mais de 30 mil pés, foi mais ou menos a altura da minha queda. Ganhei asas no pico do abismo e quase me atirando, recebi o incentivo de voar. Avistei o profundo desfiladeiro aos meus pés bem antes de saltar, era longo o caminho ao chão e exitei em saltar, pois sabia que uma hora ou outra aquilo ia dar muito errado, e por mais marcas ardidas das ultimas asas que queimaram em desalento, pulei.
      Saltei como em uma competição e sem olhar para baixo fui logo abrindo as articuladas asas da esperança, vi meus sonhos esticarem a penagem esbelta feita com esmeril castanhar. Acreditando em todas as boas coisas, fui impulsionado para cima, o pós nuvens era tão atrativo quanto o crepúsculo romântico que vira do infinito. Percorri riscando o céu de alegria e insegurança, sentia o chão tão perto quanto a crença que isso duraria muito.
      Logo o sol radiante começou a arder mais e mais, meus rodopios entre nuvens não surtia mais efeito para resfriar as minhas asas de arco vultoso, sentir o vento no rosto era a melhor sensação de liberdade que já tive em anos e logo percebi o quanto estava contente por tudo aquilo. Passou algum tempo e ainda serelepe a brincar entre colossal espaço de ar rarefeito fui atormentado pela aquilo que mais temia, a suficiência. 
      E mesmo me vendo temer você flanqueou-me e ainda sorrindo arrancou-me as asas. Uma por uma. lutei para que você pudesse parar, para que pelo menos a deixasse e embora uma delas estivesse quebrada e eu estivera perdendo altura, você se agarrou em mim e começou a rasgar aquilo que me dera. A cada puxada das minhas plumas de crença, o peito gritava em dor e tristeza, você sorrira por não mais querer aquelas asas e não as queria de volta, queria me ver sem nada. Mas naquela altura eu iria cair e você sabia, e depois que fez questão de sadicamente arrancar minhas asas deu a mão para que eu não caísse do céu. Como eu poderia voar se eu perdi tudo naquele mesmo momento? Não bastando você ainda me acertou o peito, perfurou meu tórax com sua mão fixamente espalmada e enfiou peito a dentro, apalpou meu coração e o esmagou sussurrando palavras de conforto próprio. O desespero tomou conta do meu eu. Não saberia mais como voar como você o fizera e ainda segurando tua mão, dei meu ultimo Adeus, soltei tua mão.
      Aceitei a queda como troféu da minha escolha, consenti a verdade de todas as placas amigas do caminho antes do voo, fechei os olhos e cai parafusalmente ao centro da Terra. Em mente passou tudo aquilo que eu vivera e confusamente te olhava, vi em teus olhos o sorriso de que tudo estava bem contigo e que nada mais faria efeito, nem mesmo minha existência, por isso você não hesitou em agarrar minhas mão quando eu soltei, por isso você não se assustou ou se surpreendeu quando eu te soltei, ao contrário, você sorriu como sempre o fizera quando estava de partida para outro sonhador. Você não esperou muito para seguir voando para outros condados a procura de outro alguém, nem me viu cair ao solo.
      Minha queda durou alguns segundos e para mim foram infinitos dias de dor e profunda tristeza. A liberdade que esvoaçava minhas roupas não era a mesma que me fazia liberto outrora. Sentia o vento levar minhas lágrimas para o alto e todas aquelas gotículas de sal se tornaram nuvens negras, figurando toda a minha dor sobre minha própria cabeça. Qualquer pessoa a quilomentros de distancia poderia ver a queda violenta que eu iria sofrer em micro segundos, e assim o foi. Uma destroçante queda daquele que hesitava em querer ter asas, despedaçado e sagrando fiquei ao chão respirando meu próprio sangue. Não havia um momento no qual algum movimento do meu corpo superasse a dor dos meus quebrados ossos de respeito e dignidade.  Fiquei ali suplicando socorro para o deserto que eu me encontrava, não havia ninguém ali, nenhum ser sabia onde eu estava e o que tinha acontecido até que, eu desmaiei de tanto sangrar.

terça-feira, 1 de maio de 2012

Morning


       Acordar com uma sensação de vazio não é para todos os dias. Encontrei-me apalpando os lençóis em busca de algo, em busca de alguém, e após falha tentativa, acordei realmente para a vida. Sonhar com uma situação de controle vital não deixa o acordar com cara de dia feliz, apenas torna a luta bem mais difícil do que já é. E mesmo que o sol se faça presente, tomo meu celular que dorme ao meu lado para qualquer potencial chamado, há sempre alguma mensagem ou ligação, mas do que eu espero... Esse tipo de chamado não existe por hora.
     Com uma lustrosa e quente xícara de preto café, aprecio o dia acordar. São quatro e tantas da manhã, outra noite que se fora em abrasiva esperança, essa tal que me pergunto se um dia surgirá de algum lugar para ocupar o vazio que sempre me possuíra. Vejo sempre o dia começar, geralmente do prelúdio até o grande alvorecer. Vejo o barulho acordar junto com as pessoas motivadas ao trabalho, nasce um novo dia, onde tudo pode acontecer, ou não. Olho meu contorno alvo de insensibilidade gritante, "é só mais um dia" penso eu, outro gole de puro café, tenho montanhas de projetos para cumprir, pesquisas a fazer, lugares para ir, pessoas para falar, mas nada disso mudará o meu dia se não houver propósito.
       Atenho-me sempre ao centímetro cúbico de felicidade que me resta, esse sentimento que fomenta meu mundo atual, onde qualquer coisa se torna possível só no abrir olhos deste novo dia. Respirar fundo é fundamental para se acordar com disposição, tal como se espreguiçar e se alongar, outro curto e lento gole em xícara caricaturada, um sorriso simples cobre o rosto no pensar de planos e pessoas que o aguardam. Em pensar que tudo o que eu falei fora tornado realizar, como se daria o nome? Atração? Mentalização? Ação e reação? Destino? Vida? Teorias conquistadas pelo arranhar dos primeiros raios de sol em minha janela, ouço os despertadores tocarem, creio que se dará por volta de 6 da manhã e meu café já frio pede um refil.
     Bom dia para os que acordam e para os que dormem, pois cada um tem a manhã que merece, caso não creia que mereça tal manhã. Transforme-a. O mundo é inerte e apenas gira pois agitamos o suficiente para tal, quanto maior a velocidade de pensamentos, mais rápido o dia passa. 
 Morning, let's go!

Pequenas Grandes Conquistas

A pergunta era simples: Qual a grande conquista que você só conseguiu quando adulto? As pessoas respondiam coisas diferentes umas das o...